Início Atualidade Angola produz 1,5 milhões de barris diários de petróleo mas há falta...

Angola produz 1,5 milhões de barris diários de petróleo mas há falta de combustível nas bombas. João Lourenço demite líder da Sonangol

441
0

O Presidente da República angolano demitiu o líder da petrolífera estatal angolana numa altura em que o país sofre com falta de combustível nas bombas. Angola produz 1,5 milhões de barris de petróleo por dia. O país tem uma única refinaria, importando 80% do combustível que consome.

Numa altura em que Angola sofre com falta de combustíveis nas bombas, o presidente João Lourenço demitiu o líder da petrolífera estatal. Para suceder a Carlos Saturnino foi nomeado Sebastião Pai Querido Gaspar Martins, que já integra a administração da Sonangol.

A Casa Civil do Presidente da República anunciou em comunicado, citado pela Lusa, que João Lourenço exonerou por decreto “todas as entidades” que integram o conselho de administração da Sonangol. A única razão apontada para as exonerações é “conveniência de serviço público”, precisamente numa altura em que os cidadãos e empresas de um país produtor de petróleo sofrem com falta de combustível.

A escassez de combustível provocou no último fim-de-semana longas filas de espera junto de praticamente todos os postos de combustíveis em Angola, e que fez disparar o preço do litro da gasolina no mercado paralelo, levou o Presidente da República angolano, João Lourenço, a pedir um relatório detalhado sobre a falta de combustíveis que se regista no país, com a vista a rápida regularização do fornecimento.

A informação foi avançada pelo Jornal de Angola que dá também conta de que a  Sonangol tem desde sábado dois navios da sua frota de importação atracados na Base da Sonils, no Porto de Luanda, a descarregarem combustíveis “suficientes para o consumo de um mês”.

Angola é um país produtor de petróleo, com a produção diária a atingir uma média de 1,505 milhões de barris de petróleo de crude em 2018, segundo dados da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP), citados pela Lusa.

Segundo o Jornal de Angola noticiou na terça-feira, 7 de maio, o Chefe de Estado angolano convocou, ao Palácio Presidencial, os ministros dos Recursos Minerais e Petróleos, Diamantino Azevedo, Energia e Águas, João Baptista Borges, e Finanças, Archer Mangueira, bem como o governador do Banco Nacional de Angola (BNA), José de Lima Massano, e o presidente da petrolífera Sonangol, Carlos Saturnino. O Presidente pediu esclarecimentos precisos sobre a falta de combustíveis no país, solicitando um relatório  “detalhado”.

A Sonangol admitiu no sábado que a dificuldade no acesso às divisas para a cobertura dos custos com a importação de produtos refinados é um dos fatores da escassez de combustíveis. Em comunicado, a petrolífera angolana recorda que procede à importação de derivados mediante pagamento em divisas, para a venda ao mercado nacional em kwanzas.

À dificuldade de acesso às dividas soma-se ainda a elevada dívida dos principais clientes do segmento industrial, que consome cerca de 40% da totalidade do combustível, cuja falta de pagamento acaba por condicionar também a disponibilidade de kwanzas para a aquisição de moeda estrangeira.

Em consequência, no passado fim-de-semana, o preço do litro da gasolina disparou para 500 kwanzas (1,36 euros), contra os habituais 160 kwanzas (0,43 euros).

O Jornal de Angola noticia também que nesta segunda-feira, 6 de maio, foi realizada uma reunião entre a Sonangol e o BNA, depois de sábado a companhia ter alegado a falta de divisas de importar combustíveis. Num comunicado emitido a 4 de maio para explicar os problemas de abastecimento, a petrolífera angolana evoca “dificuldades no acesso a divisas para a cobertura dos custos para a importação de refinados”.

A Sonangol tem desde sábado dois navios da sua frota de importação atracados na Base da Sonils, no Porto de Luanda, a descarregarem combustíveis “suficientes para o consumo de um mês”, avança o Jornal de Angola, citando  uma fonte da companhia que prevê a regularização do fornecimento “nas próximas horas”.

No quadro dos procedimentos, o combustível é descarregado para uma central de armazenamento e depois transportado para os postos de abastecimento, com o que a Sonangol prevê que, até esta quarta-feira, 8 de maio,  os fornecimentos estejam regularizados.

Angola produz na Refinaria de Luanda, a única que possui, apenas 20% dos derivados de petróleo que consome, importando os restantes 80%. De acordo com números divulgados em abril, no primeiro trimestre deste ano, a Sonangol gastou 221,4 milhões de dólares a importar produtos derivados do petróleo para suprir a procura do seu mercado interno, a uma média de 73,8 milhões de dólares por mês, o que deve estar próximo dos valores da importação que está a ser descarregada na Base da Sonils.

Fonte: Jornal Económico

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here