Início Aliança Aeroporto. Alverca e Monte Real não seriam alternativa?

Aeroporto. Alverca e Monte Real não seriam alternativa?

353
0

Proximidade de Fátima seria uma das mais-valias apontadas a Monte Real. A Aliança, de Santana, defende Alverca.

O que faz de Monte Real o local ideal para criar uma alternativa ao aeroporto de Lisboa? Segundo Pedro Machado, presidente da  Turismo Centro, existem três fatores de destaque nesta hipótese: investimento, religião e espaço. «O investimento que é necessário fazer – 30 milhões de euros – é infinitamente mais pequeno para o erário público do que o Montijoou as outras opções. Para viabilizar o aeroporto são necessários 600 mil passageiros por ano – Fátima  recebe sete milhões de visitantes por ano. Só o turismo religioso permitiria viabilizar este projeto do ponto de vistafinanceiro e económico», explicou ao SOL, enaltecendo ainda o facto de aquela ser uma zona com espaço para desenvolver um hub entre Lisboa e Figueira da Foz, com margem para a construção de «parques residenciais e novas áreas de indústria».

Questionado sobre o facto de o Governo ter manifestado interesse no passado em avançar com um projeto em Monte Real, Pedro Machado diz que só faltam duas coisas para dar utilização civil àquela base militar: a aprovação da ANA e vontade política. «É preciso perceber quais os interesses da ANA e sensibizá-la para este projeto. Se a ANA se pronunciar e existir vontade política do governo, o resto, nomeadamente parceiros e empresas que queiram investir, já existe», afirmou.

Uma reação «Imcompreensível»

O partido Aliança, por seu lado, defende que existem muitas razões para preferir Alverca em relação ao Montijo. No que diz respeito às questões ambientais, a implementação de uma nova pista iria preservar a hidrodinâmica fluvial e reduzir as emissões poluentes. Além disso, existem questões logísticas: «[Alverca] Está na margem com mais de 90% das origens e destinos, tem uma boa acessibilidade ferroviária e o custo para a dotar dessas condições não é superior aquilo que se prevê para o Montijo», garantiu Santana Lopes na apresentação da proposta. 

O Governo não gostou desta hipótese e descartou-a pouco depois da apresentação pública da Aliança. Um porta-voz do partido disse ao SOL não compreender o porquê de uma reação tão «irritada»: «Em todas as hipóteses de aeroporto que houve até hoje, os governos em funções reagiram sempre com irritação. Quando não se tem razão ou existe receio, fala-se com descontrole. Quando o secretário de Estado [Alberto Souto Miranda] fala num desastre ambiental em Alverca, percebe-se que está de cabeça perdida. Quer comparar os prejuizos ambientais? Então que se  faça o que as associações ambientalistas  exigem: uma avaliação estratégica ambiental», disse ao SOL.

Fonte: SOL