Início Ambiente Plano Municipal contra Incêndios de Pedrógão Grande foi chumbado por não ter...

Plano Municipal contra Incêndios de Pedrógão Grande foi chumbado por não ter em conta tragédia de 2017

291
0

Mapas desatualizados e uma análise que não é real aos incêndios de 2017 são algumas das 14 falhas que o ICNF apontou ao Plano Municipal contra Incêndios de Pedrógão Grande, que foi chumbado em 2017.

O Instituto de Conservação da Natureza e Floresta (ICNF) chumbou o Plano Municipal de Defesa da Floresta contra Incêndios de Pedrógão Grande, em janeiro deste ano, porque considerou que nada do que aconteceu no incêndio que atingiu o concelho em 2017 e matou 66 pessoas foi tido em conta no relatório.

Segundo avança a TSF, que teve acesso ao documento com a decisão do ICNF, uma das 14 falhas que são apontadas ao plano é o facto de que  “não faz, ao nível da ocupação e uso do solo, uma análise real aos constrangimentos verificados e que permitiram a devastação do incêndio de junho de 2017, como por exemplo, a falta de implementação de prevenção estrutural e a total falta de gestão florestal nos povoamentos de produção e a consequente acumulação de carga combustível na floresta”.

O ICNF aponta ainda para o facto de o plano não ter em conta a área ardida em junho de 2017 e indica uma falta de referência às condições meteorológicas associadas aos grandes incêndios e critica o facto de os mapas de perigosidade e riscos terem sido feitos com dados referentes a 2007. Além disso, há também mapas com “desconformidades” em situações como os limites das freguesias, a identificação dos concelhos limítrofes e um mapa hidrográfico sem as albufeiras que existem atualmente.

O documento indica também que o ICNF considerou que a cartografia do concelho de Pedrógão Grande está desatualizada, uma vez que se baseia na Carta de Uso e Ocupação do Solo (COS) da Direção-Geral do Território de 2007. Do lado da Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande, que também teve acesso ao ofício do ICNF, a presidente Nária Piazza afirma que o plano elaborado pela autarquia “foi feito em cima do joelho” e critica os “erros e falhas” como resultado do “descaso por parte da autarquia em matéria de planeamento e defesa da floresta contra indêncio”.

Fonte: Observador

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here